spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Humanidade em ruínas

Eram pernas e braços de todos os tamanhos envoltos em fumaça. Não havia rostos, só gritos abafados em meio à carne queimada. O hospital ardia em fogo bombardeado por mentiras de não fui eu. Típico de regimes acostumados a extorquir o fato a seu favor, como no bombardeio do hospital na Faixa de Gaza, que causou centenas de mortes, incluindo trabalhadores da saúde e crianças.

Hoje, Israel anuncia que vai bombardear outro hospital, só que agora de bebês recém-nascidos que não podem ser removidos. Não dá para duvidar de um país que tem um ministro da Defesa que qualifica de “animais humanos” os palestinos, e os castiga com bloqueio de água, alimentos e eletricidade.

O Estado de Israel já matou milhares de palestinos, a maioria civis, desde o início dos bombardeios na Faixa de Gaza, sempre apoiado pelos Estados Unidos no controverso “direito de se defender”, após o ataque do Hamas em seu território.

Aliás, foi a falta dessa frase que fez a representante norte-americana vetar a proposta de paz do Brasil na ONU. Mesmo assim, o Brasil conquistou 12 dos 15 votos dos países membros. Rússia e Reino Unido se abstiveram.

Fica muito claro a necessidade de reforma do Conselho de Segurança da ONU e de seu ultrapassado direito de veto das superpotências. Não à toa, vários membros dos direitos humanos e dos países do Conselho de Segurança da ONU viraram as costas para a representante dos Estados Unidos durante seu discurso. Foi como se dissessem: “seu veto incentiva o massacre de civis palestinos por Israel”. A indústria de armas agradece. A humanidade, não!

Não é a primeira vez e não será a última que os Estados Unidos sabotam o Brasil em tentar mediar um conflito global. Em 2011, EUA e França vetaram um acordo nuclear com o Irã, feito por Brasil e Turquia. Logo depois, os EUA apresentaram um acordo praticamente nos mesmos moldes do brasileiro.

Os Estados Unidos não querem o Brasil envolvido na geopolítica global, como um novo concorrente, apenas aceita o Brasil como potência regional controlada e destaque nas questões climáticas.

Sempre foi assim, mais ainda no golpe militar e nos recentes golpes híbridos que tiraram Dilma da presidência e colocaram Lula na cadeia. Por sinal, ainda há muito por explicar o Sr Moro a respeito do assunto.

spot_img
Ricardo Azambuja
Ricardo Azambujahttps://realnews.com.br/author/rica/
Jornalista e bancário, formado em Economia na UFSC, com pós-graduação em Ecologia e Cinema. Trabalhou como repórter, redator e subeditor de Variedades no jornal Diário Catarinense e escreveu matérias sobre politica para o blog O Cafezinho

LEIA MAIS

- Conteúdo Pago -spot_img