spot_imgspot_imgspot_imgspot_img
spot_imgspot_imgspot_imgspot_img

Drogas pesadas

Mesmo acreditando nos milagres em uma goiabeira, está ficando difícil para uma parcela da população continuar crendo em jóias sem cabeça e na turma do (Chaves) “foi sem querer querendo”.

Mas, sim, a droga foi pesada. Uma alucinação de 4 anos com sinais de overdose em vários apoiadores. Houve quem dissesse que o guru da seita das motocicletas pregava aos seus seguidores afetados pelo consumo de grama alucinógena. Alguns viram de fato o messias e fizeram arminha com a mão demonstrando seu apreço pelas lindas palavras cheias de ódio. Outros taparam os olhos e ouvidos numa verdadeira corrente de fé nas fakenews.

O messias no país das maravilhas deitou e rolou em ficções e delírios dignos de um William S. Burroughs. E só agora se descobre que estava drogado ao fazer um vídeo incentivando golpe de estado no Brasil após perder as eleições, segundo seu depoimento na Polícia Federal. Isso explica e justifica seu governo! O avião presidencial apreendido, os gastos com pílulas azulzinhas, as festas verde-oliva (existem cogumelos dessa cor?), as latas de leite condensado…

Enfim, a alucinação correu solta no desgoverno do messias. Ao ponto de “enlouquecidos” cidadãos do bem atacarem, literalmente, os prédios mais importantes de nossas instituições democráticas. Dizem que a culpa foi da grama do Planalto Central possuir maior concentração de substâncias psicotrópicas, transformando cidadãos do tipo Dr Jekill em Mr Hyde no fatídico dia 8 de janeiro de 2023.

Alguns melhoraram com a abstinência de drogas passadas e voltaram a ser cidadãos do bem (não se sabe se esse vício tem cura). Outros viraram heróis das grades e tornozeleiras eletrônicas nas bolhas on e offline de grupos messiânicos.

Já o clã dos messias, apoiadores e financiadores da tentativa de golpe, com ou sem 5 estrelas, continuam de ressaca e com insônia, no aguardo angustiante de uma CPI que espera-se não acabe em pizza e seja exemplar na punição aos crimes cometidos, tornando o outrora país das mentiras em um país de verdade.

Foto: Revista Fórum 

 

spot_img
Ricardo Azambuja
Ricardo Azambujahttps://realnews.com.br/author/rica/
Jornalista e bancário, formado em Economia na UFSC, com pós-graduação em Ecologia e Cinema. Trabalhou como repórter, redator e subeditor de Variedades no jornal Diário Catarinense e escreveu matérias sobre politica para o blog O Cafezinho

LEIA MAIS

- Conteúdo Pago -spot_img